Família do-ré-mi-fá

Archive for the ‘Amigos’ Category

Quando estava grávida do Eric, fiquei na dúvida em qual personagem me inspirar para fazer as lembrancinhas de maternidade dele. Minhas escolhas deslizavam, entre Calvin e o Pequeno Príncipe. Mas, HP, que sempre foi fã das tirinhas Calvin & Hobbes, não titubeou em limar o Pequeno Príncipe e fazer campanha ferrenha em prol do Calvin. Ok, venceu, venceu. E os kits realmente ficaram o máximo! Quadrinho de porta e lembrancinha de maternidade decorados com Calvin e Haroldo dançando “ao som” de muitas notas musicais.

Na festa de 1 ano do Eric, insisti no tema: que tal o Calvin? Catamos exaustivamente quem tivesse ou fizesse o personagem, mas não conseguimos ninguém. Aí tentei lançar a proposta de novo: E que tal o Pequeno Príncipe? (afinal, todos diziam que Eriquinho parecia demais o Pequeno Príncipe…). Mas tb não fui feliz. Ninguém tinha o tema de festa do Pequeno Príncipe e estava muito em cima pra eu confeccionar tudo por conta própria.
Acabamos nos rendendo ao Mickey e sua turma.

Até que, meses depois, me vi grávida de novo. Outro menino! Oba, precisávamos pensar no próximo personagem pro kit de nascimento do caçula. Novamente meti o Pequeno Príncipe no páreo, desta vez disputando com Schroeder, o pianista da turma dos Peanuts. Concorrência desleal, é verdade. Afinal, o pai, sendo pianista, certamente curtiu muito mais a idéia do Schroeder.

É, Pequeno Príncipe…foi mal. Eu bem que tentei. Gosto de você. Mas o pai dos meus filhos preferiu assim, como dizer, personagens mais descolados. Nada contra seu perfil meigo e fofo. Mas o esperto Calvin e o talentoso Schroeder falaram mais alto aos anseios do papai.

O curioso é que, sem saber desta história, ganhei de aniversário de uma grande amiga, um presente muito especial que, desde então, não me sai do pescoço – e do coração.

Sei que, meu coração de mãe, sempre enxergará em cada um dos meus filhos uma essência de “Pequeno Príncipe” . Afinal, o “essencial é invisível aos olhos” e “só se vê bem com o coração”

Anúncios

2 anos

Posted on: 09/11/2010

Maridón ontem me pergunta se eu prefiro almoçar ou jantar fora com ele hoje.
Em plena terça-feira (?)
“Ué, por que?” – estranho.
“Pensa, Dany, que dia é amanhã?”
“Dia 09 de novembro. E…???”
“Que data tá marcada na sua aliança?”
“Ih, é verdade! 2 anos juntos!”

Sou desligada com datas. Já maridón é ligadíssimo. Aqui em casa subvertemos a estatística dos sexos: é o homem quem lembra dos dias comemorativos.

***

No dia 09 de novembro de 2009 trocamos alianças. Não havia uma igreja, cartório ou casa de festas. Mas nossos parentes e amigos mais queridos estavam lá. E muitos choraram (como em qualquer casamento) no “momento das alianças”. As diferenças de um casamento comum pro nosso: A “igreja” era uma casa de shows; o “altar” era um palco, as “velas” eram luzes estroboscópicas, a “ornamentação” eram cabos, instrumentos, luzes coloridas, fumaça de gelo seco, caixas de retorno. O “pastor, padre, juiz ou orador” era o próprio “noivo”. E a “noiva”….bom, a noiva nem sabia que ia “CASAR”.

Assim estava garantida minha surpresa mór da noite.
Eu estava lá apenas para fazer um show em comemoração ao meu aniversário. Comemorávamos também à chegada do bebê (6 meses de gravidez). Tínhamos reunido uns amigos músicos, montado um show para apresentá-lo numa festa de aniversário, escolhido uma casa de shows na Zona Sul da cidade, convidado nossos amigos e parentes e, ao final do show abriríamos espaço para uma Jam Session, onde qualquer um poderia participar tocando ou cantando seu repertório favorito. O script da festa estava todo montado e acertado. Eu só não contava com a surpresa no meio do show.
HP parou a banda, anunciou um momento-surpresa, pediu pra eu descer do palco e, assim, bem de improviso (porque nada disso foi ensaiado) fez umas piadas e cantou 3 músicas engraçadinhas. O povo achou que era apenas um momento-humor. Mas…pra que raios a Dany precisava sair do palco? – muitos devem ter se perguntado – inclusive eu. No meio da terceira música, ele me chamou de volta. Fez uma declaração sobre o tempo em que estávamos juntos e chamou a filha dele ao palco. Alice subiu trazendo uma caixinha de alianças. HP ajoelhou, me pediu em casamento e botou a aliança no meu dedo. Nos beijamos. Coloquei a dele também. Eu tremia. Nos beijamos novamente. A platéia chorava. E retomamos a música interrompida. Foi lindo. Diferente, inusitado, espontâneo. Bem ao estilo HP.
Naquela noite eu tive a certeza de que os melhores momentos da vida acontecem assim: sem ensaio.

***

E assim HP saiu hoje da ZN na hora do almoço, enfrentou meia hora de trânsito pra me encontrar na ZS e aproveitar só 1 horinha de almoço comigo.

Não pudemos nos dar ao luxo de sair pra jantar, porque aquele carinha que estava assistindo tudo, de dentro da barriga, há 2 anos atrás, tinha pediatra hoje à noite.

Eric e Nate

Posted on: 16/07/2010

Deb, Dave e Nate passaram 2 semanas de férias aqui no Brasil. E depois de mais de 1 ano sem Eric ver o amigo gringo, finalmente, Nate veio nos visitar!

Eric abraçou espontaneamente o Nate, várias vezes, como se o estivesse reconhecendo e, fora a disputa natural pelos brinquedos, se deram super bem. Que a amizade deles seja bonita e duradoura, que nem a de suas mães.



  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • cleonice: gostaria de receber os protetores de colchaõ traveseiro edredom da casa co alergista como faço para comprar