Família do-ré-mi-fá

Archive for the ‘Comemorações’ Category

Feriado na serra, dias ensolarados, crianças se divertindo num hotel fazenda, piscina, toboágua, fazendinha, salão de jogos, cinema, baby park, pedalinho, cavalgadas, arvorismo, tirolesa, campo de futebol, vôlei, tênis, piscina térmica para adultos e bebês, atividades infantis de manhã até à noite e baby-sitter cuidando do pequeno. Tudo perfeito para a mamãe relaxar no seu feriado de aniversário, curtir o papai e a criançada se divertir, não é mesmo?
Seria. Se não fossem algumas, digamos assim, adversidades.

Pra começar o climatempo errou. Feio. Anunciou que no domingo abriria o sol e teríamos, pelo menos, 2 dias de tempo bom para curtir nosso hotel fazenda. Mas, não só choveu TODOS os dias, como a temperatura caiu bruscamente e chegamos a pegar 10º graus! Passamos um feriado encapotados e de guarda-chuva.

Alice ainda aproveitou boa parte das instalações do hotel e atividades recreativas. Mas Eric teve que se limitar a um quarto standart e a um parquinho muquirana de brinquedos de plástico quebrados. Vejam só: 3 velocípedes: 2 quebrados. 3 escorregas: só 1 aprovado pra uso. 4 casinhas de boneca: pra quê 4 casinhas??? E sem brinquedos dentro! Os meninos nem entravam. 2 bichinhos-gangorra (que tédio!) e umas mesinhas encardidas com cadeiras. Mas, ao menos, o espaço era fechado e quentinho. E o pequeno, coitado, se sentia na Disney ali. “Finalmente um cantinho pra brincar!” – pensava, na certa. Seus coleguinhas, hóspedes-mirins, tb pareciam não se importar. Por sorte levamos sua bola, alguns brinquedinhos e bolhas de sabão.

No sábado arriscamos um passeio pela feirinha de Teresópolis, shopping e depois almoço no Taberna Alpina. Mas o pequeno foi ficando com sono e tocou o terror no restaurante. Acho que nunca mais nos deixam entrar lá.

No domingo arriscamos uns mergulhos na piscina aquecida. Mas a prometida piscina térmica para bebês não estava exatamente aquecida. E tivemos que ficar com Eric na piscina de adulto mesmo.

No mais, o outro point do pequeno era o restaurante do hotel. Batíamos ponto com ele 3 vezes por dia. E enquanto o papai comia, a mamãe dava comida pro Eric. Depois a mamãe comia e o papai continuava a labuta. O revezamento era constante e ininterrupto. Que inveja das famílias que levaram suas babás!
Ah, lembram que falei lá em cima sobre baby-sitters? Pois é, estávamos num dos hotéis fazenda mais famosos e chiques de Teresópolis. Mas eles NÃO dispunham do serviço de baby-sitter. Não acreditei…

Enfim, ficamos exaustos. Mas acredito que as crianças tenham se divertido. Pra elas tudo é novidade, e mudar de ambiente já garante sua dose de diversão. Alice fez uma amiga, a Thaís, e brincaram no toboágua, piscina aquecida, salão de jogos, andaram a cavalo, fizeram biscoitos, viram filmes no cineminha e participaram de recreações com a tia Vanda, monitora que a Alice ela já conhecia do outro hotel fazenda que fomos no réveillon de 2009/10.
Eric viu uns bichinhos da fazenda, brincou com uns brinquedinhos quebrados, experimentou a piscina térmica de adultos, interagiu com alguns amiguinhos, fez uma bagunça imensa no restaurante do hotel e deu uma boa canseira no papai e na mamãe.

Mas se eu tivesse bola de cristal, juro que não saía do Rio neste feriado….

Anúncios

Hoje recebo um e-mail: “Feliz 45 meses”.
Pra variar, não me lembrei. Mas HP é fofo e não esquece. E assim vai fazendo meus dias mais felizes com estas pequenas demonstrações de amor.

Ontem, dia 09, fizemos 2 anos de troca de alianças. Hoje, dia 10, fazemos 3 anos e 9 meses juntos. Daqui a dois dias Eric faz 1 ano e 9 meses e eu faço aniversário também (mas que ninguém me pergunte a idade porque, afinal, não é educado, né mesmo?)

Pra variar, comemoramos nosso aniversário de casamento, meu aniversário e a nova barriga de 6 meses (de novo), em cima de um palco, fazendo show. Desta vez com a nossa banda fixa, a Boogie Nights. Fomos convidados a tocar no MOFO, uma casa tradicional na Lapa – nossa 2ª vez no bairro boêmio. A primeira foi tocando no Odisséia.

Bom, divulgamos o show entre os amigos, e somente pelo facebook. Acabei não elegendo esta apresentação como a nossa comemoração oficial dos 3 eventos. Aparentemente tudo conspirava contra: era uma quarta-feira, meio de semana, vésperas de feriado, dia chuvoso, estávamos com menos 1 tecladista na banda e tocávamos com um baixista substituto. E eu, no vocal, com “darizentubido” por conta de uma forte gripe que me abateu hoje. Achei que não daria ibope, não seria tão legal, e preferi deixar a festa de comemorações pr’um próximo evento.

Mas eis que a Lapinha nos surpreendeu: mesmo com chuva e mesmo em plena quarta-feira, a casa deu um movimento bem legal. Aliás, a Lapa inteira estava fervilhante. O MOFO, que nos decepcionou bastante durante as negociações, até que tinha um som de qualidade e uma turma simpática. Meu nariz entupido não passou a perna na minha voz.
E HP também não perdeu a chance de anunciar, no meio do show, que estávamos comemorando 2 anos de casados, meu aniversário e o novo bebê que vai chegar.

E assim, tivemos um show bom. E uma noite feliz.
FELIZ 45 meses, meu amor!

2 anos

Posted on: 09/11/2010

Maridón ontem me pergunta se eu prefiro almoçar ou jantar fora com ele hoje.
Em plena terça-feira (?)
“Ué, por que?” – estranho.
“Pensa, Dany, que dia é amanhã?”
“Dia 09 de novembro. E…???”
“Que data tá marcada na sua aliança?”
“Ih, é verdade! 2 anos juntos!”

Sou desligada com datas. Já maridón é ligadíssimo. Aqui em casa subvertemos a estatística dos sexos: é o homem quem lembra dos dias comemorativos.

***

No dia 09 de novembro de 2009 trocamos alianças. Não havia uma igreja, cartório ou casa de festas. Mas nossos parentes e amigos mais queridos estavam lá. E muitos choraram (como em qualquer casamento) no “momento das alianças”. As diferenças de um casamento comum pro nosso: A “igreja” era uma casa de shows; o “altar” era um palco, as “velas” eram luzes estroboscópicas, a “ornamentação” eram cabos, instrumentos, luzes coloridas, fumaça de gelo seco, caixas de retorno. O “pastor, padre, juiz ou orador” era o próprio “noivo”. E a “noiva”….bom, a noiva nem sabia que ia “CASAR”.

Assim estava garantida minha surpresa mór da noite.
Eu estava lá apenas para fazer um show em comemoração ao meu aniversário. Comemorávamos também à chegada do bebê (6 meses de gravidez). Tínhamos reunido uns amigos músicos, montado um show para apresentá-lo numa festa de aniversário, escolhido uma casa de shows na Zona Sul da cidade, convidado nossos amigos e parentes e, ao final do show abriríamos espaço para uma Jam Session, onde qualquer um poderia participar tocando ou cantando seu repertório favorito. O script da festa estava todo montado e acertado. Eu só não contava com a surpresa no meio do show.
HP parou a banda, anunciou um momento-surpresa, pediu pra eu descer do palco e, assim, bem de improviso (porque nada disso foi ensaiado) fez umas piadas e cantou 3 músicas engraçadinhas. O povo achou que era apenas um momento-humor. Mas…pra que raios a Dany precisava sair do palco? – muitos devem ter se perguntado – inclusive eu. No meio da terceira música, ele me chamou de volta. Fez uma declaração sobre o tempo em que estávamos juntos e chamou a filha dele ao palco. Alice subiu trazendo uma caixinha de alianças. HP ajoelhou, me pediu em casamento e botou a aliança no meu dedo. Nos beijamos. Coloquei a dele também. Eu tremia. Nos beijamos novamente. A platéia chorava. E retomamos a música interrompida. Foi lindo. Diferente, inusitado, espontâneo. Bem ao estilo HP.
Naquela noite eu tive a certeza de que os melhores momentos da vida acontecem assim: sem ensaio.

***

E assim HP saiu hoje da ZN na hora do almoço, enfrentou meia hora de trânsito pra me encontrar na ZS e aproveitar só 1 horinha de almoço comigo.

Não pudemos nos dar ao luxo de sair pra jantar, porque aquele carinha que estava assistindo tudo, de dentro da barriga, há 2 anos atrás, tinha pediatra hoje à noite.



  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • cleonice: gostaria de receber os protetores de colchaõ traveseiro edredom da casa co alergista como faço para comprar