Família do-ré-mi-fá

Archive for the ‘Creche/Escola’ Category

As aulas do Eric na escola vão até 21 de dezembro. Depois disso, só recomeçam em fevereiro. Junte isso com as férias da babá – que serão do dia 10 de dezembro até o dia 10 de janeiro! E agora me diga: o que fazer com uma criança (de quase 2 anos), ociosa em casa, por todo este tempo? E pior: com quem deixá-la, já que continuaremos trabalhando normalmente e a empregada/babá estará longe, muuuuuito longe…?
Obviamente um dos dois terá de tirar umas férias forçadas. Uni-duni-tê-salamê-minguê e o escolhido foi VO-CÊ: HP! HP!

Então, é isso: HP será o dono de casa e o cuidador de criança neste período. Eu e barrigón continuaremos a trabalhar fora.

Para facilitar a vida do papai, e proporcionar um pouco de diversão ao pequeno, estou fazendo uma seleção de colônias de férias e atividades infantis para o período de janeiro.
Quem souber de mais alguma boa dica, por favor, deixe aqui:

Um pai exausto, uma mãe preocupada e uma criança “duracell”, agradecem.

Por enquanto, temos:

PANOS PRA MANGA

MEU PEQUENO JARDIM

GECREAR

Anúncios

Lídia x Eric

Posted on: 17/11/2010

12 de novembro. Dia do meu aniversário.
No meio das ligações de felicitações, recebo uma ligação da escola. A professora do Eric queria falar comigo. Gelei.
A gente fica tão tensa nessas horas, imaginando mil tragédias, que a notícia a seguir soou como um refresco no coração tenso de uma mãe: “Eric havia sido mordido no braço mais uma vez. Disputando o MESMO brinquedo. E pela MESMA criança”. Só então descobri mais detalhes da história. Eric ganhou o brinquedo na disputa (a força do meu filho realmente é insuperável), a criança ficou com raiva e retaliou, lhe presenteando com uma bela mordida. Agora o mais chocante: a criança em questão é uma MENINA. E a melhor amiga dele.
Nós já havíamos presenciado o grude que a Lídia tem com o Eric. Mal ele chega na escola, ela já vai pra perto, chamando o “Équi”, oferecendo brinquedos, querendo a atenção do meu pequeno. A professora confirmou isso – era justamente a menina mais chegada a ele. E isso a impressionou também.

Numa hora dessas, não há muito o que fazer. A não ser ensinar ao nosso filho que essas coisas são feias e não se faz. Se a coleguinha reagiu dessa forma, ela está errada. E ele NUNCA deve agir assim. Nem pra se defender. A mãe da menina já foi notificada. E a professora prometeu ficar mais de olho nos dois para evitar este tipo de conflito.

Respirei aliviada. Dos males, o menor.

Que presente de aniversário, hein D. Lídia!?! Acabou de entrar na minha lista negra de pretendentes do Eriquinho.

Ontem meu filho recebeu a primeira mordida de coleguinha na escola. A babá é que identificou e foi me avisar: “Olha essa marquinha aqui no braço dele… adivinha o que é?”
Não atinei, confesso.
“Mordida”, explicou ela.
Só aí enxerguei os dentinhos na marca do bracinho. Peguei sua agenda escolar e lá estava registrado o “causo”.
Dizia assim: “…numa disputa por um brinquedo, Eric levou um ‘beijinho’ no braço. Colocamos gelo”.
É nessas horas que cai a ficha de que nosso pequeno serzinho é um ser humano com personalidade própria, que já defende suas vontades e interesses pessoais no meio social em que vive. Brigou por algo que queria. Faz parte da infância. Levou uma mordida. Faz parte da idade. Na minha cabeça, só não faria parte se ELE desse a mordida. Ah, não! Isso me deixaria mordida. Não crio meu filho pra jogar sujo nem tomar medidas violentas pra conseguir o que quer. Durmo mais tranquila pensando que é melhor criá-lo para se defender do que atacar. A mãe do outro garoto é que tenha insônias pensando em como educar o filho agressivo.

Entretanto, se bem conheço meu rapazinho, ele deve ter levado a mordida, chorado por alguns segundos, mas logo esquecido o caso; voltado a brincar e a sorrir, como faz parte de seu comportamento. Aliás, como faz parte da criança.

Pensando nisso, lembrei de um conto do Paulo Coelho, que saiu numa dessas revistas de Domingo, há 1 ano atrás:

Perguntaram a Dov Beer de Mezeritch:

– Qual o melhor exemplo a seguir? O dos homens piedosos, que dedicam sua vida a Deus sem perguntar por que, ou o dos homens cultos, que procuram entender a vontade do Altíssimo?

– O melhor exemplo é a criança, que possui quatro qualidades que nunca devíamos nos esquecer. Está sempre alegre sem razão. Está sempre ocupada. Quando deseja qualquer coisa, sabe exigi-la com insistência e determinação. Finalmente, consegue parar de chorar muito rápido.

Boa dica para seu filho não perder mais as roupas por aí.  
Essas etiquetas para roupas, como as famosas IRON ON Labels que você encontra no exterior, são super úteis para uniformes escolares, roupas que vão para as colônias de férias, viagem, casas de amigos, e quaisquer outras  que você queira identificar a fim de evitar perder.
http://www.grudadoemvoce.com.br/



  • Nenhum
  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • João Lopes: Silvia (permita-me chamá-la assim), eu não conhecia as coisas lindas (filosóficas de precisão!) que escreve, porém, depois de receber um e-mail d
  • cleonice: gostaria de receber os protetores de colchaõ traveseiro edredom da casa co alergista como faço para comprar